voltar ao blog

O que é Tecnologia 5G? Tudo o que você precisa saber!

Entenda o que é a tecnologia 5G e tudo o que ela pode oferecer

A internet é uma das maiores, mais usadas e mais conhecidas tecnologias. Ela deu seus pequenos passos como algo muito diferente: o telégrafo. Através de sinais elétricos que corriam por cabos, era possível a comunicação por meio de código Morse. Muitos passos depois, passando pela primeira conexão entre computadores, em meados de 1969, chegando até o desenvolvimento do HTML e da criação do World-Wide-Web, a internet começa a se desenvolver com mais velocidade nos anos 90, criando um segmento muito promissor.

O que no início durava uma hora entre carregamento e processamento, atualmente pode demorar 10 minutos. Foram várias evoluções até aqui: 2G, 3G, 4G e agora, o futuro bate às nossas portas com a promessa do 5G.


O que é 5G?

 

Para falar sobre o 5G, temos que olhar para o passado primeiro. Os celulares da década de 1980 funcionavam de forma analógica, utilizando um tipo de transmissão analógica, utilizando sinais de rádio para codificar o áudio. Isto era o 1G, a primeira geração de rede móvel sem fio. Com o 2G, aplicado em 1991, o funcionamento é feito de forma digital, permitindo mais de uma conversa sem interferência entre si, além da implementação da mensagem de texto e serviços de voz. 

Em 2001, houve o lançamento do 3G e com ele, a consolidação da internet móvel. O foco agora era atender ao uso de internet para redes sociais, sites, e-mails e trocas de mensagens. Dando continuidade à evolução das redes, veio o 4G e com ele a possibilidade de reproduzir vídeos em alta definição, jogar jogos online e a realização de videochamadas. 
 
E finalmente, chegamos ao 5G. Ele consolidará a conexão sem fio com outros aparelhos, para além de celulares.  O 5G é um tipo de conexão 30 vezes mais rápida do que a existente, com perspectiva de reduzir o tempo de latência (tempo de resposta). 


O 5G irá substituir o 4G em questão de velocidade. A troca do 4G para o 5G envolve maior conexão da sociedade com os meios digitais, permitindo o desenvolvimento de controles melhores de iluminação inteligente, agricultura inteligente, realidade virtual, acessórios e aparelhos de segurança e até o controle de veículos autônomos. O potencial é ilimitado. Esse tipo de conexão ainda pode permitir que a internet chegue em locais mais remotos ainda, uma vez que, para a transmissão, é necessário apenas sinal de antenas.


Quando o Brasil terá 5G?


O Brasil tem um 5G provisório, o 5Gdss (Dynamic Spectrum Sharing). Esse tipo de 5G envolve o aproveitamento das antenas que já existem no Brasil, enquanto não temos instaladas as antenas para o 5G definitivo, para que ele seja compartilhado e difundido na sua potência e velocidade máximas. 

A Agência Nacional de Telecomunicações, a Anatel, já liberou o leilão, que agora vai para o Tribunal de Contas da União (TCU), e volta depois de 60 dias para as considerações finais.  O Ministro das Comunicações, Fábio Faria, afirma que assim que o leilão retomar à Anatel, ele estará disponível no Brasil até julho de 2022, no máximo.


Por que a demora?


O 5G, quando transmitido aqui no Brasil, competia por espaço com as antenas de sinal analógico, e isso foi um impasse para o desenvolvimento dessa tecnologia. Dadas as devidas campanhas do Governo e o incentivo a troca e adaptação de TVs analógicas para o uso digital, o ruído foi silenciado. Mesmo com estes impasses resolvidos, agora o trâmite da implementação do 5G no Brasil enfrenta um embate burocrático.

Além disso, o Brasil conta com um campo eletromagnético muito particular, com alta incidência de raios, ponto considerado nos testes sobre tecnologia.


O que esperar com a implementação do 5G?


O 5G permitirá maior conexão entre aparelhos, altas velocidades de internet, downloads e uploads com tempos de resposta cada vez menores, enfim. Algumas coisas que podem ser benéficas com essa mudança para o 5G:

  • A segurança nas ruas pode aumentar, uma vez que os sensores das lâmpadas de rua podem transmitir sinais mais rápidos de aviso para a Prefeitura.
  • Centros médicos de grande porte poderão operar pessoas a distância, reduzindo as filas de espera.
  • Sistemas de monitoramento inteligente em plantações, a fim de evitar pragas.
  • Maior velocidade no tempo de resposta de transações bancárias.



O grande ponto negativo que a discussão da implementação do 5G traz é o fato de que nós fiquemos cada vez mais dependentes da tecnologia. Fora a questão da dependência tecnológica, o Brasil não conta com aparelhos adaptados ou adequados para receber transmissões de sinal 5G, além da substituição total das antenas antigas pelas novas, o que nos leva a crer que a implementação desse modelo de internet aqui ocorrerá a passos mais lentos. 

Outro fator a ser considerado foi uma análise feita nos Estados Unidos a respeito dos sinais de 5G interferirem nos voos, causando alterações no funcionamento de medidores de altitude. Esses equipamentos são de suma importância na realização de um pouso, quando a pista conta com campo de visão obstruído. A frequência utilizada pelos Estados Unidos é de 3,98 GHz, sendo bem próxima da dos altímetros, que operam entre 4,2 e 4,4 GHz. No Brasil, as operadoras utilizam uma banda de guarda, ou seja, uma frequência entre os sinais da transmissão do 5G e dos altímetros, de 3,7GHz. Por ser menor, a banda de guarda reduz os riscos de interferência.


Desenvolvimento da chamada IoT


A IoT - “ Internet of Things” ou “Internet das Coisas”, em tradução livre - é um conceito que sugere a coleta de dados através de computadores para que eles aprendam atividades que possam ser desenvolvidas com pouca ou nenhuma interação humana. Um exemplo de como funciona a IoT é pensando em sensores.

Um estoque pode contar com sensores para avaliar o movimento das caixas e saber assim se determinados pedidos já saíram de um galpão, em direção ao endereço de entrega. Existem também os chamados atuadores, que nada mais são do que sensores capazes de alterar as condições físicas, como desligamento de energia, alteração na velocidade de uma esteira, entre outros. E não podemos deixar de lembrar outro exemplo bem didático, o da utilização da Internet das Coisas (IoT) que é feita através do Machine Learning.

Além da utilização da Internet das Coisas mais voltada para a indústria, ela pode ser responsável pela redução e, até mesmo, o fim das conexões através de cabos, já que ela exige conexões wireless.


IoT funciona como um sistema nervoso central

Mas como isso sofre alguma influência do 5G? De acordo com a Juniper Research, o uso de Internet das Coisas sofrerá um salto de 35 bilhões, em 2020, para 83 bilhões, em 2024. Sendo assim, o 5G comportará melhor do que o 4G, os dados reunidos através da internet das coisas, sendo ela a maior responsável pelo salto futurístico que nos permitirá a realização de cirurgias remotas.

Desta forma, as indústrias produzirão com maior precisão, as cidades ficarão mais inteligentes com a utilização de sensores, permitindo uma melhor gestão, teremos a otimização da forma como utilizamos energia elétrica, entre outros inúmeros fatores.

Links de referência:

https://www.meioemensagem.com.br

https://www.iebschool.com

https://www.tecmundo.com.br

https://www.youtube.com

https://canaltech.com.br

https://www.gov.br

https://www.totvs.com
https://g1.globo.com

2022 © Tag Center. Todos os direitos reservados.
arrow-leftarrow-right linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram